terça-feira, 6 de março de 2012

Novo caso de racismo no Carrefour. Enfermeira afirma ter sofrido ofensas raciais depois de tentar trocar um aparelho telefônico com defeito. Diante de ameaças de agressão, segurança do Carrefour teria dito: “Negra desgraçada, eu vou quebrar a sua cara!”

O carrefour é reincidente, em 2009 um homem negro foi espancado na unidade de Osasco da multinacional francesa. Boicote ao Carrefour, corporação racista!

A enfermeira Sonia Maria Lofredo abriu representação criminal contra o Carrefour, nesta terça-feira (06). Ela afirma ter sofrido ofensas raciais depois de tentar trocar um aparelho telefônico com defeito. O fato ocorreu na loja que funciona no Shopping Eldorado, na cidade de São Paulo.
Por ter o pedido negado, a enfermeira atirou o aparelho contra o chão e se retirou. Ela relata que o gesto fez a vendedora dizer “a nega está maluca”. Ao perceber a ofensa, Sonia retornou e espalhou no ar os panfletos de publicidade da loja. Um dos agentes de segurança se aproximou e deu início aos constrangimentos.
“Ele falava baixo, tomando cuidado para que os outros não ouçam: ‘sua negra desgraçada, eu vou quebrar a sua cara!’ E dava socos no ar, que passavam a milímetros do meu rosto. Aí, eu peguei o meu filho, subi as escadas rolantes e fui seguida por seguranças por três lances de escada até que eles me obrigaram a ir para uma salinha.”
Sônia estava acompanhada pelos filhos de 10 e 12 anos e um amigo das crianças, e teve de esperar na salinha até a chegada da Polícia. Como se recusou a entrar na viatura com os menores, foi escoltada até em casa e de lá seguiu para a delegacia sob a acusação de ter agredido uma funcionária.
Sonia revela que, não tendo provas que sustentassem a acusação, representantes do Carrefour decidiram não registrar ocorrência.
“Sendo negro, você já está acostumado a ouvir coisas do tipo ‘neguinha’. Agora, quando isso passa a permear suas relações de consumo, quando você deixa de ir a determinados lugares por receio de sofrer violência pela tua cor, é sinal de que a gente está vivendo numa sociedade sectária.”
Segundo o advogado Dojival Vieira, o caso – ocorrido em 13 de janeiro – foi registrado como suspeita de ameaça, injúria racial, constrangimento ilegal, violação de dois artigos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), denunciação caluniosa e falsa comunicação de crime.


2 comentários:

  1. infelizmente o racismo, a homofobia estão presentes no nosso dia a dia. de parabens a enfermeira que denunciou, é assim que se inibe um pouco o preconceito. se ela jogou o fone ao chão e espalhou os panfletos deve ter sido muito mal atendida nessa loja, dai sua indignação. Um abraço enfermeira, profissão nobre e necessária em algum momento de nossa vida.

    ResponderExcluir
  2. nice idea.. thanks for posting.

    ResponderExcluir