quinta-feira, 29 de julho de 2010

URIBE DEPLORA DECLARAÇÕES DE LULA SOBRE CONFLITO COM VENEZUELA



Uribe e o símbolo de sua gestão



(ANSA) - O mandatário colombiano, Álvaro Uribe, criticou as recentes declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para quem a crise diplomática que a Colômbia tem com a Venezuela seria um caso de "assuntos pessoais".
Uribe afirmou que Lula ignora a ameaça que representa para a Colômbia e para o continente a presença de guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e do Exército de Libertação Nacional (ELN) na Venezuela.
"Lula desconhece nosso esforço para buscar soluções através do diálogo. Repetimos com todo o respeito ao presidente Lula e ao seu governo que a única solução que a Colômbia aceita é que não se permita a presença dos terroristas das Farc e do ELN em território venezuelano", declarou César Velásquez, porta-voz do chefe de Governo, que deixará o cargo no dia 7 de agosto.
Ontem, após reunião com o presidente nicaraguense, Daniel Ortega, em Brasília, Lula destacou que, em sua opinião, "não há conflito" além do "verbal". Ao mesmo tempo, ele pediu "paciência e calma" até o início da próxima gestão, quando a nação vizinha passará a ser comandada por Juan Manuel Santos.
Lula disse ainda que iria se reunir com Uribe e também com o venezuelano Hugo Chávez, além de Santos. "Estamos dispostos a construir a paz na América do Sul", ressaltou o presidente.
A crise diplomática foi ocasionada por uma nova denúncia de que guerrilheiros estariam na Venezuela com a tolerância do governo de Chávez, o que fez com que Caracas rompesse os vínculos bilaterais com Bogotá.
O caso é tema de análise dos chanceleres da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), que se reúnem na tarde de hoje em Quito. O Brasil será representado pelo secretário-geral do Itamaraty, Antônio Patriota.
O primeiro a chegar à capital equatoriana foi Jaime Bermúdez, titular do Ministério das Relações Exteriores colombiano. "A Colômbia vem com toda a disposição muito clara, com toda a vontade e decisão de avançar", disse ele ao desembarcar no aeroporto Mariscal Sucre, de Quito.
O chefe da diplomacia colombiana irá apresentar "muitas evidências e informação" do governo de Uribe para comprovar a presença de guerrilheiros colombianos na Venezuela, versão que é rejeitada por Caracas.
Bermúdez enfatizou ainda que seu país "não irá aceitar" a "permissividade e a possibilidade de que as Farc e o ELN continuem atacando pessoas, colombianos e venezuelanos".


3 comentários:

  1. esse é o endeusado pelo PIG Brasileiro!claro,defende os interesses dos estados unidos não só na colombia.não é a toa q ao lado do peru,são os 2 países mais atrasados do continente sul americano!

    ResponderExcluir
  2. Ulysses Freire da Paz Jr.29 de julho de 2010 18:43

    Os reflexos da animosidade que teve com o presidente do Supremo Tribunal de Justiça da Colômbia,http://es.noticias.yahoo.com/9/20100730/twl-uribe-arremete-contra-un-magistrado-6aad12c.html podem, somados a outros "discursos" velados, ensejar outros recados.

    ResponderExcluir
  3. Uribe ainda será julgado por seus crimes, assim como o foi Fujimori, Pinochet e Videla, sua imagem para o futuro será de infâmia, seu lugar é junto dos inimigos da raça humana, dos genocidas e dos mafiosos.
    Salut!

    ResponderExcluir